Domingo, 5 de Abril de 2009

O que há de comum entre Greg Burk, Hugo Alves e Andy McKee... ou uma tristeza interior muito grande

 

Greg Burk, Hugo Alves e Andy McKee são três músicos dotados e cheios de talento.  Os dois primeiros tocam piano e trompete, respectivamente e o segundo aquilo a que se chama guitarra estilo fingertype. Além da música, do aspecto saudável, absolutamente normal e nada alucinado têm em comum um facto que me faz reflectir sobre o que passei nos últimos dias na minha terra natal – Cascais.
 
O que estes três artistas têm em comum é os concertos que deram no Centro Cultural de Cascais, instituição já com alguns anos mas que só esta semana passou novamente a fazer parte da minha vida. Este equipamento cultural fica localizado naquilo a que sempre chamei “Casas da Gandarinha” uma série de edifícios antigos habitados por retornados das ex-colónias (pelo menos era o que o meu pai me dizia, insinuando que amizades com quem morava ali não eram de bom tom) e onde morava o meu Marco de cabelo dourado encaracolado por quem tive uma paixoneta durante todo o meu nono ano de escolaridade e parte do décimo.  É com alguma nostalgia que recordo as manhãs passadas sentada perto do Quartel à espera que o dito Marco (um desalinhado que, suspeito hoje, andaria “metido na droga”) assomasse a uma janela, facto que nunca se concretizou.
 
Na primeira noite cheguei bastante cedo ao local, recolhi o meu bilhete e esperei que as portas do auditório se abrissem. Os espectadores eram poucos e maioritariamente estrangeiros e com idade superior a 50 anos.  Não sei se pelo meu ar demasiado circunspecto e observador ou pela roupa que vestia demasiado normal para Cascais (desta vez não tinha carregado na minha mala roupa para sair, ou maquilhagem e nem sequer uns sapatos ou botas de salto alto) ou ainda por não ser loira, senti-me observada por todos os ângulos: os casais franceses olhavam e comentavam, as nórdicas sorriram-me e o casal português lançava-me olhares pouco simpáticos. Nesses minutos que antecediam o espectáculo dei comigo a pensar que começava já a sentir-me desenraizada e que se calhar a pouco e pouco o Algarve se estava a entranhar através de todos os meus poros.
 
É nesse altura que vejo um homem cujas feições me pareciam familiares, a olhar-me com um ar quase lânguido de alto a baixo enquanto recolhia os seus bilhetes. Nessa altura apeteceu-me fugir tal era o meu desconforto. Alguns minutos depois percebi que afinal o tal homem era o marido de uma pessoa conhecida que não via há 10 anos; assim que ele me foi novamente apresentado retorquiu em jeito rápido “Eu bem me parecia que te conhecia” e mudou imediatamente para o modo “marido simpático para as amigas da esposa”!
 
Na noite seguinte voltei. O concerto era gratuito e a promessa de ver um guitarrista fingertype (coisa que desconhecia) envolto por uma guitarra muito estranha foram motivações suficientes para mim.  Desta vez, a afluência de público era muito maior, a juventude imperava e o roça roça à porta da sala era inevitável.  Quando o embaraço sem sentido que sentia por vestir a mesma roupa, se desanuviava (não me parecia que fosse observada detalhadamente por ninguém) oiço uma voz com uma entoação fantástica que me diz “Então, está cá outra vez?!”.  Viro-me e vejo que quem me falava assim e me mostrava um maravilhoso sorriso era nada mais, nada menos, do que o Segurança de serviço, um senhor com mais de 50 anos, de cabelo totalmente branco e com a falta de um incisivo.
 
À medida que pensava “porquê eu?”, “o que é que eu tenho?”, “o que é que ele quer de mim?” e “porque é que não é um jeitoso que mete conversa comigo?”, o Segurança lá me ia congratulando por ainda ter conseguido um bilhete. Também me explicou que parecia que o artista dessa noite era muito bom e que os CD’s dele eram fantásticos e até me pediu para observar o meu bilhete para melhor me explicar onde iria ficar sentada. Confesso que fui antipática. Não alimentei a conversa, desviei o olhar por várias vezes e até tentei com todas as minhas forças não sorrir, não fosse ele sentir-se incentivado de alguma forma.  O monólogo lá terminou com o Segurança a dizer-me já com uma ar mais sério e menos íntimo “Sabe, eu conhecia-a pela mala…”.
 
Gostava de acreditar que foi realmente a mala que me fez tão notada nas noites culturais de Cascais, mas parece-me que os 7 anos que levo de Algarve já transformaram profundamente esta menina da linha (e para pior…)!
 
publicado por Veruska às 19:47

link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Tio do Algarve a 7 de Abril de 2009 às 00:06
A mala foi para disfarçar...Nunca estamos completamente incógnitos e há pessoas que nunca passam despercebidas, vejo que é o teu caso ...(nunca tive dúvidas, diga-se)
De Veruska a 7 de Abril de 2009 às 13:36
Meu caro Tio,

o senhor é um autêntico cavalheiro (nunca tive dúvidas, diga-se)! eheheheheh
De Ritinha a 7 de Abril de 2009 às 09:33
Estiveste a 1 minuto de minha casa...
Podias ter dito que eu tinha ido contigo. :)
De Veruska a 7 de Abril de 2009 às 13:37
Que sorte morarares por ali.

Se fosse eu, ia aos concertos todos! Aquele Centro Cultural de Cascais é fantástico e ainda por cima os concertos são gratuitos.

De guiga a 7 de Abril de 2009 às 16:40
Pois... O feitio dos algarvios..
*.*
De Veruska a 10 de Abril de 2009 às 18:07
...vai-se entranhando lentamente!...:)

Comentar post

.eu

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimos reflexos

. ...

. O poder da publicidade......

. Que coisa estúpida... ou ...

. ...

. ...

. ...

. Concentração motard de Fa...

. ...

. ...

. ...

.caixa de Pandora

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Uma experiência quase cie...

. Os vossos favoritos

.links

.espreitadelas

Contador grátis
Link

.mais comentados

blogs SAPO

.subscrever feeds