Quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

Tudo se conjuga para mais uma chacina... ou como toda a gente sabe que eu gosto de jogos violentos

 

 

Não gosto particularmente de séries ou filmes violentos, mas nutro uma especial afeição por jogos de consola que incluam muita matança e de preferência indiscriminada.  Não é segredo para ninguém, que declarei como a melhor série de jogos alguma vez jogada por mim (do meu universo de 4 ou 5 que realmente joguei) os vários episódios do Call of Duty.

 

Recordo com alguma saudade o meu período de licença de maternidade em que me sentava no sofá (ainda muito dorida da cesariana) de pistola em punho disparando contra os maus com o volume da televisão muito baixo para não acordar o bebé que dormia na espreguiçadeira a meu lado. Volta e meia lá tinha de lhe dar um abanão – na espreguiçadeira, claro – ou colocar o cd da Jane Monheit para ver se ele voltava a dormir enquanto tentava passar mais um nível, já de olhos esbugalhados e de músculos presos de tanta inércia corporal.

Também durante esse período, consegui ver algumas séries de televisão, também muitas delas ao som da Jane Monheit  De entre as que vi encontrava-se o Ossos. A conjugação do “gajo jeitoso” com a “boazona” linda de morrer, fria e durona a desvendarem crimes praticando ciência encaixa na perfeição naquilo que me seduz (televisivamente falando, claro).

 

Agora que já tenho em casa um rapazinho de quase 1 ano, decidi que devia começar a introduzir outros hábitos, quiçá mais trendy do que o Ossos ou do que o Call of Duty.  Falaram-me no Walkind Dead. Disseram-me que entravam zombies. Garantiram-me que se tratava de um grande sucesso. Insinuaram-me que talvez eu devesse pertencer a uma elite que gosta das séries do momento. Afiançaram-me de que se a visse teria uma atitude mais cool. Etc, etc, etc.

 

Depois de visto o primeiro episódio da terceira série, só me ocorre dizer “série desprovida de qualquer estória”. Não me parece que exista grande argumento nem acho que os atores desempenhem grandes papéis ou que sejam exímios na sua arte. Mas uma coisa é certa, vou voltar a vê-la porque uma coisa foi fantástica – a matança.  Foi espetacular perceber que os zombies têm um crânio mole e a forma mais fácil de acabar com eles é espetando-lhes qualquer coisa na cabeça. E fantástico, fantástico, foi ver que qualquer um, desde os 8 aos 80 anos, homem ou mulher o consegue fazer.

 

Tenho consciência de que a ficção nada tem a ver com a realidade e não quero mesmo misturá-las.  O que é do campo da imaginação está muito bem arrumadinho num canto da minha mente e o que é do campo da minha realidade desenrola-se ao ritmo de uma vida cheia de experiências e emoções enriquecedoras. No entanto, sei que nem todos são assim e há mesmo quem misture a realidade com a ficção e julgue que afinal não é um simples coveiro em Belas mas sim um herói de uma qualquer série de televisão de um canal de cabo.

publicado por Veruska às 18:01

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Outubro de 2012

O desafio de Vítor Gaspar... ou uma singela lista de sugestões

 

 Fonte: ionline

 

 

Vítor Gaspar desafia os deputados a apresentarem propostas de cortes nas despesas.  Afinal vivem-se momentos de intensa austeridade e o parlamento deverá também ele tentar reduzir a sua fatia de gastos, tal como os restantes portugueses têm feito ao longo destes últimos tempos.

Não tento fazer aqui um exercício de demagogia, mas sim contribuir com sugestões plausíveis, de aplicação muito prática e que estou certa, granjeariam por parte dos deputados e outros trabalhadores da nossa democracia um afeição desmesurada.

 

1º) Existência de apenas comida vegetariana nas cantinas/bares das instituições públicas

 

Hoje celebra-se o Dia Mundial da Alimentação e de acordo com os especialistas,  “a população mundial terá de mudar totalmente para uma alimentação vegetariana nos próximos 40 anos se quiser evitar uma catástrofe alimentar planetária”. Como o exemplo vem de cima, devem ser os nossos políticos a iniciar esta tão grande mudança.

Ah, claro que quando sugiro a comida vegetariana, não estou a falar de tofu, soja e todas aquelas outras “mariquices” importadas e caríssimas.  Refiro-me a uma singela salada de alface, com uma rodela de tomate daqueles meio esponjosos e sem sabor.  Poderá acrescentar-se um pouco de curgete de vez em quando, de preferência comprada quando não está em promoção no Continente.

Vamos evitar também o feijão verde que esse também está pela hora da morte. E a rúcula também seria de banir porque é um legume muito chique e conotada com uma certa classe social.

Na área das frutas aconselharia apenas o abacaxi importado da Costa Rica.  É das frutas mais baratas por aqui(no Allgarve, leia-se); em dia de promoção consegue ser 1€ mais barato do que as maçãs e as peras.

 

2º) Incentivar o consumo de peixe-espada preto para os que não conseguem mesmo ser vegetarianos

 

Isso das cavalas e sardinhas só beneficiam mesmo a saúde de cada um. Quando se pensa em redução de custos o melhor é mesmo promover o consumo de peixes altamente contaminados com metais pesados, como é o caso do peixe-espada, e esperar que os que o consomem desenvolvam doenças mortais e morram enquanto esperam por vagas nos hospitais.

 

Esta medida além de poupar dinheiro, vai também de encontro ao pretendido pelo ministro Miguel Macedo, visto que em última análise os médicos poderão vir a ter mais disponibilidade para consultar novos pacientes.

 

3º) Taxar todos os jogos de sorte/azar


À semelhança do que se vai fazer com o Euromilhões, a Lotaria Nacional, a Lotaria Instantânea, o Totobola, o Totogolo e o Totoloto julgo que se deveriam taxar todos os jogos.

Penso que seria importante começar pelos jogos “da batota” dos reformados. Porque não cobrar também a taxa de 4,5% nas apostas de uma “suecada” ou de uma “busca”. E, claro, que aqueles que jogam a feijões também não estariam isentos. Uma percentagem devia ser cobrada e aplicada na sopa diária vendida nas cantinas e bares da Assembleia da República.

 

E quando tudo falha, porque não rebentar com umas caixas multibanco para arranjar umas notas???!!!!! Mesmo que sejam só de 20 euros, já dão para pagar uns jantares…

publicado por Veruska às 14:46

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Outubro de 2012

O doping de Relvas... ou uma trama bem urdida

 

Na imprensa de hoje há um título que causou em mim uma descarga de adrenalina- “Armstrong fez parte do programa de doping mais sofisticado do mundo”. Sou uma grande fã de filmes que girem em torno da temática do terrorismo/espionagem e a ideia de que um atleta, que em tempos passou férias no Algarve, pudesse estar envolvido num esquema ilegal e que ainda por cima este se situaria no topo da sofisticação, devia ser por si só tema de uma série policial que eu iria devorar do primeiro ao último capítulo.

 

De acordo com a imprensa norte-americana, “os dados reunidos no extenso documento provam, "sem margem para dúvidas", que o antigo ciclista norte-americano e a US Postal "montaram o mais sofisticado, profissional e bem-sucedido programa de doping da história do desporto". E, pelos vistos há mesmo quem confesse o uso de substâncias ilícitas para melhorar o rendimento; Hincapie (um parceiro de Armstrong), afirma . "Cedo na minha carreira profissional tornou-se claro que, devido ao uso generalizado de substâncias proibidas, não era possível competir ao mais alto nível sem elas".

 

Por cá, é Miguel Relvas que protagoniza um caso com semelhanças ao do ciclista ex-campeão.  Desde que veio a público a forma como Relvas se licenciou, que se intuía que este possuiria muitos dons impossíveis de explicar. Agora vem a público que ele presumivelmente estará envolvido num projeto que pretendia formar várias centenas de técnicos municipais para ocuparem os setes lugares existentes nas pistas de aviação municipais e heliportos portugueses. Não sei como é que ele consegue tais feitos, nem de quem se rodeia para levar a cabo os seus intentos, mas que existirá uma trama bem urdida que tem um fim em vista, lá isso existe.

 

Fosse ele ciclista e acredito que tivesse a determinação e perseverança de conseguir feitos que rivalizariam com os de Armstrong. 

publicado por Veruska às 15:36

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2012

À espera de Cosmopolis...ou à espera de Godot?!?

 

Num final de tarde amorfo e sem nada de especial consegui convencer quem comigo partilha cama e mesa a ir ver o segundo capítulo da SAGA Twilight. Gostei de ver o jovem que se transmutava em lobo por “dá aquela palha” e revelava com toda a sua impetuosidade os seus abdominais sem photoshop e a adolescente sofrida pelo amor impossível de concretizar e pela mal disfarçada impotência de resolver o triângulo amoroso em que se envolvera.  Mas se haveria qualquer coisa ainda de mais marcante nesse filme era Robert Pattinson, branco como cal, olheiras marcadas e tez amargurada por lhe ter calhado em sorte ser um vampiro com várias centenas de anos preso a um corpo longe de acompanhar a maturidade de tantos séculos.

 

Não voltei a ter contacto com mais nenhum episódio da SAGA, mas Robert Pattinson voltou a fazer parte da minha realidade cinéfila através de Cosmopolis. O enredo seduzia-me.  A ideia de um gestor de topo vaguear através da cidade de Nova Iorque dentro de um carro atraía-me como não consigo explicar. Na sua rota, um Robert Pattinson menos vampiresco, observa a urbe que o rodeava e intui sobre o colapso que se aproximava.

 

Apesar de ter gostado do filme, este quase faria parte da minha categoria “filmes de cineclube que dá jeito ver para parecermos intelectuais” não fosse ter saído da sala com a sensação de que a inspiração para a interpretação da personagem principal teria estado no ministro das finanças Vítor Gaspar (imposição de Paulo Branco, suponho). A face inexpressiva, a forma pausada de articular as palavras, o “estar à nora” e nunca perder a compostura, etc etc, estava tudo lá.

 

Finalmente vários meses depois, todo este imaginário leva-me a ansiar pelas 15 horas, altura em que veria o meu Robert Pattinson português falando de forma a que todos conseguissem perspetivar o colapso do império pessoal de cada um. Comuniquei em pensamento para mim mesma – “Estou à espera do meu Cosmopolis”- e tratei de jogar um pouco de Angry Birds para aliviar a tensão.

 

Ouvi e ouvi. Vi gráficos. Acompanhei as primeiras reações pelos jornais online e pelas redes sociais.  Pensei eu que estava à espera do “meu Cosmopolis” mas acho que estive foi à espera de Godot!

publicado por Veruska às 16:17

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.eu

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimos reflexos

. ...

. O poder da publicidade......

. Que coisa estúpida... ou ...

. ...

. ...

. ...

. Concentração motard de Fa...

. ...

. ...

. ...

.caixa de Pandora

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Uma experiência quase cie...

. Os vossos favoritos

.links

.espreitadelas

Contador grátis
Link

.mais comentados

blogs SAPO

.subscrever feeds