Domingo, 8 de Junho de 2008

Perdidos (...no Ludo) - Episódio 1623

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Heather já tinha perdido a conta aos dias em que estava naquele local rodeado por mar e por campos de golfe. Tanto ela como os seus companheiros mais próximos, Ramón e John, já tinham percorrido aquele sítio vezes sem conta e continuavam sem perceber tão denso mistério. 
 
Tudo tinha começado há muito tempo atrás, quando o voo da Easyjet BN1516 que provinha de Londres e tinha como destino Faro, se despenhara. O avião partira-se ao meio e caíra no meio daquele imenso sapal. Vários sobreviveram ao desastre, e depressa se instalou no ar a confiança de que iriam ser rapidamente encontrados – todos acreditavam que o acidente se tinha dado já perto do destino e que as autoridades iriam realizar tudo o que estava ao seu alcance para os socorrer.
 
Os primeiros dias foram de agonia. Apesar de muitos sobreviverem houve outros que acabaram por falecer vítimas dos vários traumatismos sofridos. Foi nessa altura, que daquele conjunto de desconhecidos, os líderes se destacaram e vários grupos se formaram: os empreiteiros que habilmente construíam estruturas que pudessem oferecer algum conforto aos sobreviventes; os colectores que providenciavam a comida, sobretudo peixe e uma ou outra ave que conseguiam capturar; os exploradores que se ocupavam em desvendar os segredos da região… Era neste último grupo que se inseriam Heather Pinker, Ramón Gonzales e John Smith – três cidadãos britânicos que já tinham visitado o Algarve por diversas vezes. Heather era a mais obstinada e aventureira do grupo e por essa razão envolvia-se frequentemente em conflitos com os seus colegas, mas no entanto era adorada por todos. Ramón e John tinham um carisma impossível de explicar e uma personalidade motivada pela descoberta, que acentuava a compatibilidade entre eles.
 
Naquele dia resolveram mais uma vez rumar ao lado Norte da ria com o objectivo de explorar a ponte de madeira que lá se situava. Decidiram ir quando o Sol assinalava o meio-dia, hora em que era mais fácil evitar os Outros (nativos que habitavam a ria e que frequentemente, de manhã e ao final da tarde, eram avistados caminhando, correndo, andando de bicicleta ou jogando golfe). Já sabiam pela sua experiência que estes seres apesar de parecerem amistosos, capturavam as pessoas e obrigavam-nas a permanecer no seu meio. Enquanto caminhavam, os nossos personagens principais raramente falavam. Conheciam-se já tão bem que frequentemente comunicavam de forma extra-sensorial - um pequeno arquear de sobrancelhas apontava o local onde estavam os flamingos, um ligeiro esgar do rosto indicava o bando de patos selvagens que iniciava o seu voo ou um olhar de soslaio para voltar a observar mais uma vez o monte de sal rodeado por quatro baixos muros cujo segredo ainda não tinha sido desvendado.
 
- Já se avista ponte – sussurrou Heather.
- Sim – respondeu John – estamos quase lá. A partir do sítio onde está a Máquina temos de ter mais cuidado para evitar os Outros. O golfe está próximo…
A Máquina era um mecanismo associado ao sistema de canais de água da ria. Existiam vários destes engenhos e no início alguns tinham sido mesmo destruídos, mas este, o oitavo a ser encontrado, era preservado até se decidir o que fazer com ele.
- Olhem! O que é aquilo?
- O quê?
- Aquilo. – dizia Heather enquanto apontava com o indicador direito – Parece uma mota.
- É uma mota! – exclamou John à medida que se aproximava e já com a adrenalina a disparar.
Não havia dúvida tratava-se de uma Sach Lebre de matrícula  8-NMP e em cima do selim um velho capacete com a inscrição “Good Luck.
tags: , ,
publicado por Veruska às 21:00

link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De RUIM a 9 de Junho de 2008 às 09:59
de algum português que foi á pesca
De Veruska a 9 de Junho de 2008 às 10:50
Este é mesmo um país de contrastes...uma mota podre de velha na Quinta do Lago! :)
De RUIM a 9 de Junho de 2008 às 10:55
não é velha, é vintage....logo é fashion!!!
De Júlia a 9 de Junho de 2008 às 11:46
Gostei muito das fotos e da ficção. Quanto à moto velha na Quinta do Lago, não é verdade que somos um país de contrastes? E bem acentuados...
De Veruska a 9 de Junho de 2008 às 13:31
E cada vez mais, esses contrastes se acentuam...
De guiga a 9 de Junho de 2008 às 15:43
Mas os locais ricos não são mantidos por ricos, são pelos pobres que trabalham!
*.*
De Veruska a 9 de Junho de 2008 às 16:24
Tens toda a razão!
De Granada a 19 de Junho de 2008 às 14:21
Antes de mais obrigada pela visita ao meu blog.
Segundo as fotos e a ficção estão excelentes, tens muito jeito para a escrita.
Terceiro, somos um país de contrastes, para o bem e para o mal, pelo bem, temos maior conjunto de diversidade de paisagens que muitos podem invejar, para o mal, o contraste entre pobres e ricos é também dos maiores.

Comentar post

.eu

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimos reflexos

. ...

. O poder da publicidade......

. Que coisa estúpida... ou ...

. ...

. ...

. ...

. Concentração motard de Fa...

. ...

. ...

. ...

.caixa de Pandora

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Uma experiência quase cie...

. Os vossos favoritos

.links

.espreitadelas

Contador grátis
Link

.mais comentados

blogs SAPO

.subscrever feeds