Sexta-feira, 9 de Agosto de 2013

Um post útil... ou como podemos comprar um triquini no e-bay

 

 Fotos: e-bay

 

Já por diversas vezes abordei por aqui a minha necessidade de usar triquinis na praia. E, também já por diversas vezes espelhei o meu desalento ao tentar encontrar esta indumentária no comércio tradicional. Depois de tanto procurar e de pedir ajuda a quem de moda percebe muito mais do que eu, decidi partilhar com o mundo alguns conselhos que poderão fazer toda a diferença quando se pensa em comprar este tipo de fato-de-banho na net.

 

Apesar de atualmente muitos serem os sites onde se podem adquirir este tipo de peças, considero que o e-bay é o que apresenta os modelos a preço mais acessível e que conferem à transação a maior segurança (uso sempre o pay-pal). Assumo que neste tipo de compras, a questão do preço é das mais importantes. Nunca quis arriscar na compra de um triquini demasiado caro que poderia ficar fechado numa gaveta por não me assentar bem, não ter a qualidade desejada ou nem sequer me servir.

 

Por isso apresento-vos quatro das minhas cinco compras deste ano (confesso que com a ânsia de tentar substituir os meus mais de vinte biquínis, acabei por me deixar levar pela febre do consumismo). De todos eles, apenas o nº1 não foi uma compra de sucesso. Assim que o vi, achei que devia de o ter. Um preto sólido e os recortes na zona da cintura seriam a escolha acertada para aqueles dias em que a elegância teria de ser um imperativo.  Apesar de algum receio inicial, acabei por sentir contagiada pelo sucesso da compra do meu primeiro trikini do ano (sem foto no post) e resolvi arriscar na compra de um L do modelo que se dizia ser da Victoria Secret’s. Infelizmente esta não foi uma boa aquisição e ele acabou por fazer parte do guarda-roupa de uma amiga também mãe recente, mas de trigémeos.

 

Seguiram-se o da Primark, um “chinês” e o da Asos, tendo todos eles conseguido o seu lugar cativo aqui na gaveta que outrora foi dos biquínis.  Assim, após estes longos meses de experiência partilho o que me parece ser mais importante quando se faz este tipo de compras no e-bay.

 

1.    Procurar o melhor preço

Atenção que muitos dos modelos são vendidos por vendedores diferentes a preços muito diferentes. Há que ter paciência na consulta dos sites (o americano e o inglês) e esperar pela melhor oportunidade.

 

2.    Atenção aos tamanhos

De uma forma geral os tamanhos são muito inferiores aos europeus, principalmente se estes vierem da China. Por exemplo, no caso do modelo nº1 de tamanho L, este acabou por ser vestido por uma pessoa de tamanho S.

 

3.    Analisar muito bem parte de cima

Para quem tem peito grande, a parte de cima de um fato de banho é uma grande preocupação. Questões como “Será que tem poder de sustentação?” ou “Será que a copa é suficientemente grande?” dependem grandemente de como este é desenhado. Por isso através das fotografias, pormenores como a existência de aros e copas almofadadas são extremamente importantes. Muitos deles têm copas extra-almofadadas o que leva à necessidade de adquirir um modelo num tamanho superior ao que seria esperado.

 

4.    Analisar como é atado o triquini

O aspeto a valorizar é o facto de este ter atilhos e não molas de pressão. Como não se experimenta o item, a existência dos atilhos permite um maior ajuste do que as molas e assim maior probabilidade de sucesso.

 

5.    Perceber como é que o triquini assenta realmente numa pessoa

Eu não tenho corpo de modelo, por isso fico atenta às proporções daquilo que vejo na fotografia e tento transpô-las para as minhas curvas.

 

6.    Não gastar demasiado dinheiro por peça

O meu limite é de 25€ (custo + transporte) por peça e mesmo esse, nunca foi atingido. Só o será se encontrar alguma coisa verdadeiramente original. Tenho-me ficado pelos 15€.

 

7.    Não desesperar com espera da encomenda

Por vezes a encomenda demora mais de um mês e fica-se logo a pensar se teremos sido “roubados”. Nesses casos deverá contactar-se o vendedor e pedir esclarecimentos. Normalmente os atrasos na encomenda ficam a dever-se ao facto de expedição não ser imediata (sobretudo quando os portes são grátis) ou ao facto de ter ficado retida na alfândega para inspeção (coisa que até hoje só me aconteceu uma única vez).

 

 

publicado por Veruska às 14:14

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 31 de Julho de 2013

Brincar aos pobrezinhos na Comporta... ou brincar aos riquinhos no Algarve

 

Fonte: http://www.boattoursriaformosa.com/en/ria_formosa.php


Eu já sabia que brincar não era uma atividade exclusivamente infantil.  Eu própria sou o mais perfeito exemplo disso. Não é que goste de estar ocupada a vestir ou despir bonecas, ou a praticar artes culinárias com tachos em miniatura, mas a ideia de me divertir com outras pessoas num cenário fantasioso continua a ser-me apelativo.

 

No dia a dia às vezes é difícil praticar a atividade, mas mesmo perante os obstáculos mais difíceis lá vou galhofando, muita das vezes em regime solitário e outras vezes perante a incompreensão de quem me rodeia.

 

Também as pessoas chiques brincam. Cristina Espírito Santo brinca aos pobrezinhos na Comporta. Não possuo mais detalhes sobre a sua atividade de lazer, mas depreendo que ela, durante esse período, agarre numa esfregona e lave o chão, chupe as cabeças do camarão comprado no hipermercado ou quiçá, arrisque a ler a Nova Gente num final de tarde.

 

Eu também brinco durante as férias e, tal como ela, também saio da minha zona de conforto. É verdade, durante o Verão brinco aos riquinhos. Vou a banhos no Ancão, arrisco numa ementa gastronómica mais elaborada, disfruto de momentos únicos ao pôr-do-sol e passeio em locais de sonho.

 

A diferença: uma de nós não tem dinheiro para gastar em luxos!

 

publicado por Veruska às 12:01

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Junho de 2013

Um mamilo de borla... ou a minha busca incessante por um triquíni perfeito

 

 

A minha saga pelos triquinis começou há mais ou menos um ano.  Depois de ter sido mãe, e devido a uma cicatriz vertical resultado da cesariana a que tive de ser submetida, optei por usar triquinis. Ainda me lembro da obstetra no final do parto me ter dito que tinha feito o melhor possível mas que eu iria ver um Z desenhado na barriga. Imbuída com a felicidade de, eu e o meu filho, estarmos vivos e bem, respondi-lhe com um sorriso no rosto – “Não faz mal; depois vou usar uns triquinis feitos à medida”.

 

Poucos meses depois, no início da Primavera, a minha busca por tão ausente equipamento de banho começou. Tinha a intenção de procurar uma loja que conhecia em Cascais e em Vilamoura que fazia todo o tipo de fatos de banho por medida, mas os meus planos foram gorados com a constatação de que afinal a loja já não existia.  Tive de me socorrer do plano B, e procurá-los nas lojas que habitualmente vendem este tipo de roupa. Foi então que começou um dos períodos que se tem revelado como sendo um dos mais longos da minha vida.

 

Rapidamente percebi que a oferta de triquinis é muito reduzida e quando se encontra algum, o seu preço é demasiado elevado para o que estava habituada quando era uma simples consumidora de biquínis (muitos biquínis, muitos mesmo). Outros dos aspetos negativos tinha a ver com a escolha disponível no mercado; demasiado conservadores, com cores de fugir e para senhoras com muita idade e muito excesso de peso.

 

Fui obrigada a rumar à capital e acabar por escolher um cujas caraterísticas são precisamente as anteriores. Afinal de contas, tenho mais de 40 anos e o meu excesso de peso, sobretudo em algumas zonas do corpo que ficam penduradas, invalida qualquer harmonia entre uma parte de baixo e uma parte de cima com o mesmo número (as senhoras de certeza sabem do que falo). Daí até à descoberta do e-bay foi um ápice. Comecei por procurar “trikini’s” e depressa percebi que devia era de pesquisar “monokini’s” embora o que desejasse era que o meu “kini” superior ficasse bem ajustado e tapado.

 

Esta busca incessante pelo triquini perfeito já resultou em 6 aquisições – 1 que nunca chegou; 1 demasiado pequeno; 3 pequenos mas que fazem de mim, nem que seja só em pensamento, uma autêntica “babewatch”; 1 que está algures entre a China e Portugal.

 

Mas como qualquer pessoa sabe, um guarda-roupa nunca está perfeito e por isso a demanda continua, agora com um novo ânimo.  Se já começam a oferecer mamilos de borla na compra de um triquíni, pode ser que dentro em breve comecem a oferecer “maminhas” novas.

publicado por Veruska às 18:39

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 21 de Setembro de 2008

O fim da silly season... ou como todos temos de assumir a nossa personalidade

 

 
 
Hoje termina o Verão e com ele chega o Outono, a minha estação preferida.  Com o fim da época estival, também tudo parece entrar na normalidade: não há mais barraquinhas, nem colunas a debitar vários quilowatts de som na doca de Faro; já é fácil chegar até à Praia (pena que não haja nem uma “ondita”…) e até já se conseguem fazer umas compras no Jumbo…
 
Mas de tudo o que aconteceu este fim-de-semana saliento a festa de encerramento do Nikki Beach de Vilamoura.  Foi assim uma espécie de encerramento da silly season, em que todos deveriam ir vestidos da mesma cor - o vermelho (ou de encarnado como dizem os meus conterrâneos; é mais chique…) – e desfrutar do set promovido pelo DJ Ravin (desfrutar é mesmo a palavra exacta, pois naquele sítio não se dança, vá lá saber-se porquê…).  Claro que na noite passada, o destino fazia das suas e as coisas não iriam correr como previsto.
 
O recinto não se enchia de pessoas, o dress code não era respeitado e havia mesmo quem dançasse num espaço exíguo, o único protegido da cacimba que não ia embora.  Os empregados vestidos de branco distribuíam toalhas aos poucos clientes que ainda por lá estavam, o DJ aceitava pedidos de música e os “conhecidos” não conseguiam camuflar o ar aborrecido provocado por aquela noite fria.  Não havia muito para fazer, as bailarinas não dançavam nada de jeito, os ingleses estavam completamente bêbados, a “oferecida” insistia em manter os seus seios em cima da mesa de mistura do DJ e até a ausência/presença de roupa interior feminina nalgumas das presentes já não suscitava comentários. 
 
É então que tenho uma epifania: vejo um indivíduo cabisbaixo revelando uma elevada mestria em manter o seu rosto oculto pelo seu longo cabelo, todo vestido de preto e que numa primeira aproximação se poderia classificar de gótico.  À medida que a música que passava se ia tornando mais comercial, também o “Gótico” alterava o seu comportamento: já batia ritmadamente o pezinho e até fazia um ou outro arqueio de anca. Percebi que por muito gótico que ele fosse, lá no fundo, mas bem no fundo, de certeza que seria um betinho.
 
É assim que a minha visão dos outros muda radicalmente e agora quando oiço, por exemplo, o Pedro Passos Coelho sei que ele no seu íntimo gostaria de ser o Eládio Clímaco e apresentar o Eurofestival da Canção (isto para não falar de outras sensações que a voz daquele homem desperta em mim; a do PPC, é óbvio…). Quanto a mim, acho que chegou a altura de assumir que às vezes (muito raras), embora tal facto não se descortine através da minha imagem usual, também sou um pouco bimba – é que eu gosto de ouvir o Luís Miguel cantar!
publicado por Veruska às 23:27

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

Uma experiência quase científica... ou uma "edição limitada" na minha vida

        

 
A minha estação do ano preferida sempre foi e será o Outono! Adoro Outubro, quando os dias já são mais pequenos e as tardes ainda são de Sol e o calor é suportável. Adoro o cheiro da chuva de Outono, o movimento de um céu carregado de nuvens e as praias despidas de gente. Gosto da sensação de poder voltar a agasalhar-me nas noites mais frias, do dormir mais confortável e do chá quente à hora do lanche…
 
            É por essa razão que encaro o Verão como a minha penitência – é o relacionamento íntimo com o ar condicionado desprezando todos os outros à minha volta, as imensas horas de leitura debaixo do chapéu-de-sol na praia recusando-me a conversar com quer que seja, as horas intermináveis dentro da água do mar enquanto todos os outros se passeiam pelo areal e a convicção de que se for sozinha para os concertos musicais e outros eventos culturais chegarei a horas!
 
            Só que o auto-conhecimento é tramado e a busca interior é uma constante na minha vida e por essa razão decidi, à semelhança de alguns produtos de consumo, fazer uma “edição limitada” na minha vida de forma a transformar a estação estival num período mais consentâneo com a noção de “silly season”. Inspirada  pelos Gelados Carte d’Or chocolate extra negro, chocolate/laranja e chocolate/pimenta/chili (apenas disponíveis durante a Primavera / Verão ) resolvi promover-me durante um curto período de tempo.
 
            Em primeiro lugar formulei as várias hipóteses que poderiam responder à questão-problema “Como me poderia auto-promover?”, depois pesquisei arduamente de entre as técnicas de marketing aquela ou aquelas que melhor pudessem aumentar o meu valor no mercado e por fim levei a cabo de forma cuidada e metódica toda a experimentação.   Assim, e apenas por alguns dias, decidi colocar na Internet junto com os meus dados pessoais, os meus contactos reais.    Vários foram os que participaram e desde já deixo um grande obrigado a todos pela sua participação despojada de qualquer interesse.
 
A análise dos dados foi muito facilitada pelo facto dos participantes se inserirem em dois grupos já muito estudados – os casados com défice de fidelidade e os cromos com elevada auto-estima (é com muita tristeza que registo a fraca adesão desta última categoria). Também tive alguns contactos de mulheres que eu apenas considerei para efeito estatístico, uma vez que a sua expressão foi muito reduzida. Como esperava encontrar um universo de participantes semelhante às pessoas que me rodeiam, muito surpreendida fiquei com a ausência completa de elementos pertencentes à categoria dos “homens metrossexuais gays”!
 
A conclusão que retiro daqui é que provavelmente as estratégias de marketing que se utilizam nestes tempos de crise não são as melhores – será que vai haver mesmo alguém que irá experimentar a correr o gelado de chocolate/pimenta/chili ou o iogurte morango/pimenta com receio de que esgotem ou sejam retirados do mercado?

 

publicado por Veruska às 23:20

link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito (1)
|

.eu

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.últimos reflexos

. Um post útil... ou como p...

. Brincar aos pobrezinhos n...

. Um mamilo de borla... ou ...

. O fim da silly season... ...

. Uma experiência quase cie...

.caixa de Pandora

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2011

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Uma experiência quase cie...

. Os vossos favoritos

.links

.espreitadelas

Contador grátis
Link

.mais comentados

blogs SAPO

.subscrever feeds